Corporate Venture: quando pequenos se associam aos grandes para crescer

Inovação para as grandes empresas, crescimento para as scale-ups: entenda o que é Corporate Venture e como esse engajamento empresa-empreendedor tem transformado o ambiente de negócios no Brasil.

A biologia nos explica. Quando um novo organismo é inserido em um ecossistema, todas as relações ao seu redor podem mudar. Assim aconteceu também com o ecossistema empreendedor no Brasil nos últimos anos, com a chegada de um player que, até então, vivia distante do movimento empreendedor: as grandes corporações.

De acordo com a pesquisa lançada em 2018 pela Endeavor em parceria com a EY-Parthenon e a Cátedra Insper-Endeavor, Corporate Venture é a expressão utilizada para caracterizar qualquer esforço de uma corporação para criar novas iniciativas empreendedoras (entrepreneurial ventures), seja ele interno ou externo.

No caso das iniciativas externas, de engajamento empresa-empreendedor, grandes organizações aproximam-se de startups e scale-ups, com objetivos distintos, tais como:

  • Aproximar-se do mindset empreendedor
  • Complementaridade dos negócios
  • Garantir controle do processo de inovação
  • Incorporar inovação

Isso ocorre porque empresas já estabelecidas precisam inovar em uma velocidade maior do que sua estrutura organizacional pode permitir, enquanto que as recém-chegadas dependem de parcerias, investimento e novos clientes para acelerar o crescimento. Se houver alinhamento estratégico e afinidade, junta-se a fome com a vontade de comer. Estabelece-se aí, como na biologia, uma relação de mutualismo.

Formas de fazer Corporate Venture

Nesse caminho, surge uma relação bastante rica entre scale-ups e grandes empresas, que pode acontecer de diferentes formas, de acordo com o nível de engajamento e comprometimento de cada lado.

Algumas dessas iniciativas são:

  • Programas e eventos, como hackathons, em que a empresa propõe um problema interno para ser resolvido por um grupo de pessoas;
  • Compartilhamento de espaços físicos de coworking onde a empresa e o empreendedor têm a oportunidade de trabalhar juntos;
  • Programas de incubação e aceleração que buscam criar um ambiente de aprendizagem onde empreendedores possuem acesso a mentores;
  • Contratação de algum produto ou serviço do empreendedor pela empresa;
  • Participação minoritária, sem aquisição do controle da empresa, que em geral permanece com os empreendedores;
  • Aquisição de controle parcial ou total da empresa.

Fonte Endeavir

Recomendados para você