Emenda federal de R$ 2,5 milhões vai fortalecer projeto de hortas urbanas na Capital e equipar municípios .

Implantar 200 hortas urbanas pelos bairros de Campo Grande como forma de estimular o consumo sustentável, gerar renda e fomentar a agricultura familiar estão entre as prioridades do programa “Hortas Urbanas”. Inédito em Mato Grosso do Sul, o projeto desenvolvido pelo Governo do Estado em parceria com a Prefeitura de Campo Grande, conta com o apoio do deputado federal Luiz Ovando, que acaba de empenhar emenda no valor total de R$ 2,5 milhões para o Estado, sendo R$ 550 mil destinados ao programa.

Durante reunião que formalizou o repasse nesta sexta-feira (20) na Secretaria de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar (Semagro), o parlamentar agradeceu ao Governador Reinaldo Azambuja por conceder a ele a oportunidade de participar desse projeto e pontuou a importância da iniciativa.

O grande diferencial não é conceder, é as pessoas desenvolverem. Quando a gente fala da terra em termos de horta, a gente facilita as crianças a entenderem o significado da terra, e que nós precisamos valorizar. Quando se fala em terra produzindo, significa terra dando condição a persistência da vida, do bem-estar da comunidade, e também de desenvolvimento”, destacou.

O secretário da Semagro, Jaime Verruck, elencou a relevância da emenda no fortalecimento do projeto. “Apoio fundamental. Pois existe uma perspectiva de todas as pessoas que estão gostando do projeto e das que querem que seja implantada no seu bairro”.

Em visita constante aos bairros da Capital, o secretário especial de gestão política em Campo Grande, Carlos Alberto de Assis, afirmou que o projeto de 200 hortas é uma semente plantada. “Estamos com bastante demanda nos bairros, e já existe pedido de expansão para o interior. Isso é muito gratificante, pois foi uma ideia que deu certo, começou pequena e a tendência é só crescer. Fomenta a agricultura familiar e oferece uma mudança de cultura, pois preserva o meio ambiente, e serve de instrumento de educação alimentar”, afirmou Assis.

Fonte ACrítica

Recomendados para você