Pressão dos EUA causará atrasos na implantação do 5G no Brasil, diz Huawei Vinicius Szafran, editado por Daniel 

Marcelo Motta, diretor de segurança cibernética e soluções da Huawei, afirmou em entrevista nesta segunda-feira (6) que diminuir a participação da Huawei “apenas atrasará a implementação do 5G no Brasil e afetará os preços para as operadoras, provedores regionais de serviços de internet e clientes”.

As operadoras do país construíram grande parte de sua infraestrutura usando os equipamentos da Huawei, visto que a companhia reforçou sua presença no Brasil nos últimos 22 anos. “Em lugares onde houve restrições à Huawei, vimos os preços subirem de duas a cinco vezes, muitas vezes inviabilizando os negócios para as operadoras”, explicou Motta.

O executivo observou que o Brasil já enfrentava o desafio de expandir sua infraestrutura existente. Alterar o fornecedor exigiria a substituição dos equipamentos já instalados por parte das operadoras, em vez de simplesmente atualizar o que já foi feito.

A Huawei conduziu os testes do 5G com sucesso com todas as principais operadoras do Brasil (TIM, Telefônica, Claro e OI), e está auxiliando na modernização da infraestrutura do país antes do tão aguardado leilão do 5G, organizado pela Anatel.

Motta afirmou que a empresa tem uma solução preparada para trazer o 5G para o Brasil nas frequências existentes, e ainda afirmou que as acusações sobre espionagem feitas pelos EUA são infundadas.

A Huawei, que investiu cerca de US$ 4 bilhões em 5G em todo o mundo nos últimos 10 anos, pretende fabricar a nova tecnologia em uma de suas duas zonas de produção no Brasil. A empresa viu seus custos operacionais aumentarem durante a pandemia, já que menos voos significam transporte aéreo mais caro. No entanto, segundo Motta, essa questão “ainda não é crítica”.

Fonte olhar digital

Recomendados para você